Artigos

VOCÊ TEM FOME DE QUE?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no print

Por Luciana Pandolfo Camaratta, Psicóloga – CRP 07/05918

Vários fatores podem levar à obesidade. Podemos ter predisposição física e sermos mais vulneráveis, mas a psicossomática considera que ela desenvolve-se como expressão física de um sofrimento emocional importante.

As dificuldades emocionais podem levar a alterações significativas no comportamento alimentar. A história individual desempenha papel importante na compreensão dos fatores geradores da obesidade. A comida é mais que uma necessidade orgânica. A alimentação constitui-se em uma das nossas primeiras formas de comunicação com o mundo. Assim os cuidados maternos, a amamentação, a relação com a mãe e representantes desta são aspectos importantes na construção da personalidade e determinam nossos primeiros registros emocionais. Devem transmitir amor, segurança e confiança.

Algumas vezes isto não acontece tão bem. Os psicanalistas entendem a obesidade como uma fixação oral e uma regressão a esta fase. Assim os obesos, diante de suas frustrações e estresses da vida, buscam alívio na comida. Existe um vício e a comida funciona como um narcótico.

Como mencionado, a Psicanálise da especial atenção à relação mãe-filho e a influencia da figura materna e de sua atitude no desenvolvimento da obesidade. Os pacientes obesos podem sofrer de um déficit fundamental de aprendizagem precoce na percepção e conceituação da fome. A sensação de fome não é clara e aparece misturada “a outras fomes”. Assim, é comum o comer representar a necessidade de receber amor, o medo de sofrer privações, a reação a uma separação ou perda , dificuldades e proibições sexuais e necessidade de ser forte. Enfim, a comida pode ser um jeito de preencher um vazio e aliviar sentimentos inconscientes de abandono e desesperança.

O obeso não carrega somente um peso físico que atrapalha sua saúde orgânica, carrega também um peso emocional, que traz uma série de prejuízos que atingem gravemente a autoestima.  Pode fazer com que a pessoa evite viver, deprima-se , passe a abrir mão de outros prazeres, podendo tornar-se cada vez mais presa ao prazer da comida.

Emagrecer é muito mais que fazer dieta, praticar exercícios, fazer cirurgia, tomar medicamentos. Para que tudo aconteça bem é necessário estar em paz consigo mesmo, retirar o peso emocional, sendo este aspecto sumamente importante para o emagrecimento e manutenção de peso. O tratamento psicológico possibilita que o indivíduo reestruture-se emocionalmente.  Ao conhecer-se melhor, entende as razões de suas dificuldades e consegue buscar recursos mais saudáveis para a resolução mais efetiva de suas dificuldades.