Artigos

TRANSTORNO BIPOLAR TEM CURA?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no print

Por Anna Paula Luz Flores , Psicóloga e Psicanalista – CRP 07/04536

O Transtorno Bipolar refere-se de uma alteração de humor que se manifesta com fases maníacas ou eufóricas (comportamento excitado, exagerado e desorganizado), fases depressivas (apatia, tristeza) e fases mistas (agitação, irritabilidade e ansiedade). Essa desregulação pode se dar tanto para baixo (forma depressiva) quanto para cima (forma maníaca), sendo que há também estados em que o humor está particularmente agitado e turbulento (forma mista).

Ocorre uma desproporção entre as circunstâncias e as reações, ou seja, o sujeito deixa de responder adequadamente ao que seria esperado, reagindo o humor de modo incompatível ou exagerado à situação. A autocrítica fica comprometida e o pensamento acelerado, desorganizando-se de tal modo, que fica difícil acompanhar sua linha de raciocínio e sua capacidade de argumentação fica bastante prejudicada.

Como o humor define nossa percepção de risco e de oportunidades, quando está exageradamente elevado (eufórico) sem razões para tanto, é comum se expor ou se envolver em situações de maior risco, sem uma crítica adequada. Por outro lado, os estados depressivos tendem ao retraimento e inibição apesar das condições reais não estarem tão desfavoráveis. Há também alterações de humor mais brandas, com um desequilíbrio emocional que se traduz em oscilação e sensibilidade emocional, afetando a previsibilidade do humor e nestes casos, após certo período, a pessoa pode retomar o equilíbrio sem grandes prejuízos comportamentais nem mesmo na integração das emoções e dos pensamentos.

Se antes a bipolaridade era reconhecida somente nas suas versões mais evidentes e pronunciadas (antigamente conhecida como psicose maníaco-depressiva ou PMD), cada vez mais observa-se que uma parcela significativa da população sofre de oscilações de humor maiores do que o normal (cerca de 10% da população), com diferentes graus de prejuízo. No entanto, em vez de serem reconhecidas e tratadas por apresentar formas atenuadas do transtorno bipolar, estas pessoas comumente recebem equivocadamente diagnósticos de depressão, ansiedade, déficit de atenção e hiperatividade, abuso de drogas ou de transtornos de personalidade. É provável que a bipolaridade seja o transtorno psiquiátrico de maior impacto social e econômico na atualidade, até mesmo mais do que a depressão unipolar.

A existência de um caso de transtorno bipolar numa família aumenta a possibilidade de que a enfermidade se manifeste em outros membros da mesma família. No entanto, certamente depende da interação de tais fatores com o ambiente. Não se pode deixar de considerar também que, além da predisposição e vulnerabilidade geneticamente determinadas, certas situações contribuem para a eclosão ou precipitação da doença.

Os casos de transtorno bipolar ficavam mais evidentes na adolescência quando, em geral, é feito o diagnóstico. No entanto, se enfocarmos a história desses adolescentes e ouvirmos seus pais, encontraremos evidências muito precoces de alteração de humor, irritabilidade, distúrbio do sono e hiperatividade. Hoje, está em voga atribuir tais sintomas apenas aos distúrbios de atenção e à hiperatividade (TDAH) e existem programas inteiros dedicados ao reconhecimento e tratamento dessas manifestações, retardando a instalação de um tratamento adequado. Em muitas crianças, porém, eles podem estar relacionados com o transtorno bipolar, particularmente se a frequência dessa patologia é significativa na família.

A partir do momento, porém, em que se inicia um tratamento eficaz e adequado, o quadro torna-se mais brando a tal ponto que é possível conviver com pessoas portadoras de transtorno bipolar de humor sem identificar o problema. A doença não tem cura, mas as pessoas melhoram e são capazes de reassumir suas atividades. Isso se consegue através do tratamento com várias classes de medicação, incluindo estabilizadores do humor, anticonvulsivantes, antipsicóticos ou antidepressivos, associado à psicoterapia. Esta, por sua vez, visa o aumento de adesão ao tratamento, redução dos sintomas residuais, prevenção das recaídas e melhora na qualidade de via dos pacientes e seus familiares, proporcionando um aumento do funcionamento social e ocupacional destes pacientes e as capacidades de manejarem adequadamente as situações estressantes em suas vidas.