Artigos

Qual a hora certa do bebê ir para sua cama?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no print

Por Ingrid Schonhofen Petracco, Psicóloga – CRP 07/11717 e Tanise Gralha Mateus, Psicóloga –  CRP 07/10230

Uma grande dúvida dos pais que acabaram de ter seu bebê, pode parecer simples, mas que tem muita importância no desenvolvimento emocional do pequeno bebê, é qual o momento certo do bebê ir para a sua cama em seu quarto? É fundamental para o desenvolvimento da criança que ela tenha o seu próprio espaço. Ela necessita reconhecê-lo e não confundi-lo com o espaço do pai e da mãe. Isso deve ser muito bem estabelecido, pois é necessário para que ela compreenda qual é o lugar dela na casa e na família.

O bebê tem condições de dormir sozinho desde o nascimento. É uma fase que requer muitos cuidados, mas ele também precisa de um momento só seu para explorar o mundo a sua volta, sentir cheiros e ouvir barulhos.

Os bebês ainda não desenvolveram o conceito de medo, portanto, ficam muito tranquilos em sua cama, sozinhos. Por vezes, os pais não compartilham dessa segurança, o medo é todo deles e transferido para a criança.

Quanto maior o tempo que a criança compartilha o espaço do quarto com os pais, maior será a dificuldade de romper esse hábito. Com o passar do tempo ela vai acostumar a ter os pais sempre presentes, disponíveis, resolvendo todos os pequenos problemas e reconhecer o conforto da cama dos pais. No futuro, essa ligação pode criar uma falta de autonomia e independência na criança. Ela precisa saber qual é o seu espaço e os pais precisam ajudar mostrando que ela tem um lugar especial e só seu (ou dela e dos irmãos).

A ideia de dormir no próprio quarto tem dimensões ainda mais profundas. Na medida em que os pais acreditam na capacidade da criança de dormir sozinha, depositam confiança nela. Ela vai sentindo-se capaz, com valor e, sobretudo, mais amada, sabendo que tem capacidade para cuidar de si mesma e de quem convive com ela e de suas “coisas” (brinquedos, livros, roupas, etc). Esse conjunto de sentimentos é uma parte do que chamamos de autoestima. A criança não deve ser atendida em tudo que solicita, ela deve conseguir tolerar quando se sente frustrada, passo importante para que se inicie o estabelecimento de limites.

No processo do crescimento a criança precisa se individualizar, ou seja, saber que é um ser único, diferente dos demais e independente dos pais. Essa capacidade é adquirida conforme ela cresce e descobre que consegue resolver pequenas dificuldades, de acordo com cada etapa etária (por exemplo, ir ao banheiro sozinha, arrumar os brinquedos, vestir-se). O fato de dormir na cama ou no quarto dos pais dificulta esse processo, reforçando indiretamente a sensação de incapacidade da criança.

O amadurecimento ocorre a partir das conquistas de independência. Dormir no quarto dos pais dificulta esse processo e a criança tende a procurar o que é mais prazeroso, mas é dever dos pais mostrar que nem tudo que ela quer pode ser atendido. Por fim quando se percebe dificuldades do bebê em ficar no seu quarto, seja essa dificuldade do próprio bebê, seja oriunda dos pais, a ajuda de um psicólogo pode ser peça chave para que se faça esta transição sem traumas e se retome o curso normal do desenvolvimento.