Artigos

O papel do homem quando se torna pai

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no print

Por Denise Helena Müller de Ávila , Psicóloga  – CRP 07/01582

Na clínica, ouvimos com frequência queixas de homens que se sentem excluídos da relação com a mulher, quando do nascimento de um filho. Muitas vezes são excluídos de fato, inclusive saindo do quarto do casal para dar lugar ao filho. Outras vezes este filho passa a ocupar o meio da cama, separando o casal, situação que pode se prolongar por um, dois anos ou até mais. Isso acontece quando o homem não sabe qual é seu papel nesta relação e a sua importância. O filho, que deveria ser motivo de alegria e união do casal passa a ser motivo de afastamento do mesmo.

O papel do homem e da mulher na sociedade atual tem mudado muito. Há algumas (poucas) décadas os papéis eram bem distintos e definidos: o homem era o provedor e a mulher cuidava da casa e dos filhos. O homem não se envolvia nos cuidados dos filhos, ele atuava quando precisava colocar limites, para impor a lei. A função materna e paterna eram bem definidas, mas não necessariamente mais saudáveis.

Nos tempos atuais, com a necessidade do homem e da mulher trabalharem fora de casa, também surgiu a necessidade da divisão de tarefas: tanto nos cuidados da casa como nos cuidados e educação dos filhos. As funções que anteriormente eram bem definidas se mesclaram. Vemos homens cuidando da casa e dos filhos enquanto a mulher trabalha fora, vemos homens e mulheres se dividindo para dar conta da casa e dos filhos já que ambos trabalham fora. Enfim, os papéis mudaram e muitas vezes se confundem. Ambos podem ser provedores, podem cuidar, dar carinho e educar. Mas nem sempre é fácil para homens que tiveram uma educação mais conservadora, onde pai era o disciplinador e o afeto vinha exclusividade da mãe. Homens que só tiveram uma relação mais próxima com o pai depois de grandes, já enquanto “homens”. Estes não aprenderam e sentem-se, muitas vezes, inibidos afetivamente. Não sabem onde se colocar, o que fazer e o quanto são necessários neste momento.

Antes as famílias eram grandes, as mulheres não trabalhavam e todos se ajudavam. Quando nascia um bebê havia avó, tia, vizinha, muitas pessoas para ajudar nos cuidados da nova família que começava a se estabelecer. O homem/pai era muitas vezes excluído: sua função era de provedor. Nos dias atuais isso já não acontece mais; grandes cidades, grandes distâncias, avós trabalhando fora e dificuldade de ter encontrar pessoas capacitadas faz com que o pai precise ajudar. Mesmo assim, muitas vezes, o homem se sente excluído dessa relação tão íntima que é da mãe e seu bebê. Ele não sabe da importância que tem neste momento.

E qual é esta importância? Logo após o nascimento o papel do pai é proteger mãe e filho, é dar o suporte logístico e emocional necessário para que a mãe se dedique a atender as necessidades desse bebê ainda tão imaturo e indefeso. É o momento em que a mãe se volta integralmente para seu filho. Mãe e bebê constituem uma unidade na chamada fase simbiótica, conforme nos ensina Mahler. Esta fase é fundamental para que o bebê passe para a próxima etapa do seu desenvolvimento emocional.

Nesta nova etapa o papel do pai é, mais uma vez, de suma importância. É ele quem vai ajudar a separar a mãe e o bebê, apresentando este bebê ao mundo e propiciando que a mãe retome sua vida. A ligação dos dois continua intensa, mas não necessita mais de atenção da mãe 24 horas. Já pode dividir os cuidados com o pai e aos poucos o casal vai retomando sua vida.

Com papéis diferentes, mãe e pai são fundamentais no desenvolvimento saudável dos filhos. Basicamente, a mãe é o afeto e o pai é quem impõe as regras, os limites. São como uma equipe, funcionando em sintonia, sabendo, cada um, a sua função e a hora de atuar.

Quando esta equipe não funciona, quando não existe sintonia, é hora de buscar ajuda. A psicoterapia psicanalítica pode ajudar os pais individualmente ou como casal a se encontrar novamente. E isto é importante não só para o casal como também para que consigam cuidar melhor de seus filhos.