Artigos

Meu filho é hiperativo?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no print

Por Ingrid Schonhofen Petracco, Psicóloga – CRP 07/11717

Para começar a conversa, nem toda criança agitada é considerada hiperativa. Num geral as crianças são muito mais ativas que os adultos, sem que isso seja patológico. Não se deve de forma alguma, classificar de hiperativa, uma criança somente por considerá-la agitada. É difícil determinar a origem do distúrbio e tentar atribuir culpas não é uma boa saída.

A criança hiperativa mostra um nível de atividade bem maior que outras crianças da mesma idade, o que acaba por incomodar bastante as pessoas ao redor. A criança torna-se difícil de lidar, porque “não para quieta”, tem dificuldade em permanecer numa atividade – mesmo brincar ou assistir TV, o que prejudica coisas importantes. Em casa, acabam sendo fonte de stress e até mesmo brigas entre os pais. Especialmente quando a criança perturba a tranquilidade, ou começa a chamar demais a atenção na escola.

O verdadeiro comportamento hiperativo interfere na vida familiar, escolar e social da criança, que passa a ter dificuldades em prestar atenção e aprender. Como tem um déficit importante em filtrar estímulos, são facilmente distraídas e tendem a ser muito agarradas às pessoas, necessitando de muita atenção.

É importante que as causas da hiperatividade sejam identificadas de forma correta. A falta de um bom diagnóstico diferencial pode levar a tratamentos inadequados. Saber mais sobre diagnóstico e tratamento para hiperatividade no TDAH faz toda a diferença na hora de ajudar seu filho.

Nem todas as formas de hiperatividade tem relação com déficit de atenção – TDAH. Outras causas possíveis são alterações metabólicas e hormonais, intoxicação por chumbo, complicações no parto, abuso de substancias durante a gestação, entre outras. Problemas situacionais, como crises familiares (luto, separação dos pais e outras mudanças) podem ser traumáticas para crianças e levarem a um quadro de hiperatividade reativa.

Todas estas possíveis causas devem ser investigadas antes de se pensar qual o melhor tratamento da hiperatividade em questão, especialmente quando se desconfia de hiperatividade em bebês.

É de total importância os pais perceberem que as crianças hiperativas entendem as regras e instruções. O problema é que elas têm dificuldade em obedecê-las. Esses comportamentos são acidentais e não propositais. Por isso, não culpe o seu filho por ele ser assim, isso só será pior para ele!

Se você identifica seu filho com este tipo de comportamento, saiba que há várias coisas que podem ser feitas para tornar estes desafios mais manejáveis.  Com a psicoterapia conseguimos resultados muito positivos e uma evolução do quadro bastante satisfatória.