Artigos

Meu filho contou que é gay! E agora?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no print

Por Carolina Fernandes de Abreu Marques, Psicóloga – CRP 07/11647 

O título deste artigo é também a pergunta angustiada que muitos pais e mães se fazem quando descobrem que seu filho ou filha é homossexual.  Independente se o pai descobriu por outras pessoas, se já desconfiava ou se o próprio filho ou filha contou, o fato é impactante. Verdade também que é cada vez menos chocante, mas ainda é. Vivemos numa época mais esclarecida com relação às questões sexuais e temos mais acesso a informação; o que faz com que o preconceito tenda a ser menor. Porém quando se recebe essa notícia inúmeras questões surgem na cabeça desses pais.

Mas então vamos lá: Eles seguem sendo seus filhos e tentar mudá-los ou expulsa-los de casa como se fazia no passado não irá resolver nada. Primeira questão que surge é: onde erramos na criação dele ou dela? Não houve erro algum. Homossexualismo não é questão de educação, muito menos certa ou errada. Entenda que nada que você tenha feito ou deixado de fazer levou seu filho a ” ser gay”. Importante dizer também que ele não optou por ser gay. Ele é gay. Aconteceu que aos poucos ele foi desejando e se interessando sexualmente pelo mesmo sexo, do mesmo jeito que ocorre com heterossexuais, que se interessam por pessoas do sexo oposto.

Vale comentar que ninguém ou nenhuma teoria até hoje sabe dizer com exatidão o que faz uma pessoa se interessar pelo mesmo sexo ou pelo sexo oposto. Não existe comprovação científica que a causa seja genética ou psicológica.

Uma questão que surge logo no início da notícia é: “não quero que meu filho sofra com preconceitos que encontrará no caminho.” Sabemos que apesar das mudanças do mundo moderno os preconceitos ainda existem e provavelmente seus filhos sofrerão algum tipo destes preconceitos pela orientação sexual, porém, sabemos também que é impossível impedir que os filhos sofram em algum momento de suas vidas. Ter uma comunicação aberta e clara em casa, deixar que todos os membros da família exponham suas opiniões e sentimentos pode ajudar para que esse indivíduo saiba se posicionar perante a sociedade e quando for vítima de tais julgamentos e preconceitos.

Outro sofrimento comum é pensar: “não terei netos”. Bom, seu filho é homossexual e não estéril. Homossexuais pode se reproduzir das mais variadas formas de reprodução artificial que existem hoje em dia. Cada vez mais sabemos de casais homoafetivos que tem buscado na ciências formas seguras de reprodução para constituir suas tão desejadas e amadas famílias. Mais uma vez, reforço a importância da comunicação com seu filho. Converse, pergunte, escute. O que ele busca pra vida dele? Ele quer ter filhos? Muitos heterossexuais optam por não ter filhos hoje em dia e dar foco em sua carreira, projetos, viagens…

Bom, respondendo à pergunta inicial. Agora!!! Aceite, escute, entenda e ame. Seu filho é o que é. Dê tempo pra ele e pra você. Tempo para que tudo se acomode; as expectativas, as fantasias e os planos. Tempo para se escutarem, se olharem e se (re) conhecerem. De forma clara e leve.