Artigos

Inibição Intelectual: Crianças inteligentes que não conseguem aprender

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no print

Por Luciana Pandolfo Camaratta, Psicóloga – CRP 07/05918

Os problemas de aprendizagem são queixas comuns que motivam a busca de auxílio psicológico. Na realização de avaliação psicodiagnóstica  é também comum encontrarmos como resultado; uma criança com potencial intelectual adequado ou até superior, mas apresentando baixo rendimento cognitivo.

Será importante compreender como se constrói o conhecimento. Lembrando Piaget , a criança é um sujeito que procura ativamente compreender o mundo que a rodeia. Tentando responder as interrogações provocadas pelos estímulos ambientais; constrói  formas de pensar. Através deste conhecimento, também organiza seu psiquismo pois tudo vai ganhando compreensão e significado.

Freud falando sobre a sexualidade infantil, mostra a intensidade da curiosidade das crianças. Elas querem saber suas origens! Destacou então o nascimento dos bebês, as relações sexuais entre os pais, o papel paterno na concepção e as diferenças anatômicas como os temas que mais despertam a curiosidade, geram perguntas e mobilizam pesquisas.

Melanie Klein coloca outros aspectos importantes. Explica que inicialmente a criança divide as coisas e pessoas em boas ou más. Pretende que vença o bom e o mau seja aniquilado; gerando assim sentimentos de satisfação e segurança. Acreditar que o bom vence ameniza angústias e vai fazendo com que a criança perceba que o bom e o mau existem juntos em uma mesma pessoa ou situação. Aquele que gratifica é o mesmo que frustra. Não há mais como conviver somente com o bom; nem no mundo externo ,nem no mundo interno. A fantasia perde sua intensidade, seu caráter onipotente. Não soluciona mais as coisas! A criança precisa tolerar a frustração e isto significa admitir a realidade; significa pensar.

A condição de tolerar a frustração impõe a realidade e gera pensamento. A  criança necessita buscar alternativas e recursos, para tornar a vida real a medida do possível, mais prazerosa e satisfatória.

A atividade intelectual normal apresenta como características a espontaneidade, a criatividade e um tanto de fantasia. A exploração e descoberta do mundo, pode ser feita com prazer e tranquilidade ou ser carregada de altos níveis de angústia. Nem sempre ser curioso é algo incentivado e permitido e a reação dos adultos frente à curiosidade infantil é de suprema importância. Poderá acontecer de forma inadequada e incluir mensagens de proibição, censura e negação. A expressão direta ou sutil de mensagens com este teor,  pode contaminar todo espaço mental e impedir o pensamento. A criança não suportará o temor frente, as consequências de sua atitude curiosa e abandonará a proposta. Além disto, a ausência de respostas dos adultos frente aos  questionamentos ; muitas vezes povoados de angústias  , passam a ser sentidos como  perigosos, destrutivos ou proibidos. Tudo isto pode participar do bloqueio intelectual: Crianças inteligentes que não conseguem aprender!

A postura do adulto também é inadequada quando na vida da criança, ocorrer exagerada satisfação de desejos e ausência de limites. Se há prazer nada mais precisa ser pensado, nenhum movimento precisa ser realizado para buscá-lo.

Muitas crianças poderão sofrer de uma falta de liberdade ou de necessidade para pensar e refugiam-se na ignorância. Não posso pensar ou não preciso pensar! Se pudermos auxiliá-las a descobrir o que as impede de pensar  e a reconquistar o prazer da curiosidade; modificarão sua relação consigo mesmas, com o mundo e com a aprendizagem; permitindo que seus recursos sejam percebidos , desenvolvidos e utilizados.