Artigos

Infidelidade no Casamento

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no print

Por Rafaela Haas Oliveira Zanini, Psicóloga – CRP 07/14351

É muito comum a procura de terapia de casal devido a uma crise decorrente de uma relação extraconjugal.  As formas com que cada casal encontra para lidar com a fase seguinte a descoberta são variadas e nem sempre a infidelidade causa a separação.

A princípio, ninguém decide iniciar uma vida a dois pensando na hipótese de ser traído. A grande maioria diz que jamais perdoaria uma traição. Entretanto, não é o que a experiência clínica mostra. Na maioria dos casos, a infidelidade não é “o problema”, mas sim a manifestação de problemas mais complexos. Trata-se de algo que vai sendo construído no percurso do relacionamento e não um processo rápido.

Entre as causas principais, pode-se encontrar a insatisfação sexual ou a ausência de diálogo e comunicação, por exemplo. O que interessa, é que um casamento pode tornar-se um terreno fértil para o surgimento de crises extraconjugais e a busca de tratamento para o casal pode ajudar a compreender estas questões. Muitas vezes essas crises podem surpreender por acontecerem em casamentos considerados como sólidos e satisfatórios. Mas um exame mais atento  mostra significados reveladores.

A busca da paz numa relação, evitando todo e qualquer conflito pode acarretar a distância entre duas pessoas. A intimidade vai sendo deixada de lado e a amizade pode substituir o relacionamento matrimonial, tomando um lugar central.  A frustração consequente dessa substituição da relação matrimonial por uma relação de amizade pode trazer muitas insatisfações e ocasionar a busca pelo relacionamento extra conjugal, como forma de alívio e satisfação.

A crise decorrente de uma relação extraconjugal pode tornar-se uma oportunidade para o resgate de questões perdidas de um casamento. A intensidade de sentimentos despertados por estas situações pode trazer  vida novamente para a relação e, se cada um puder se apropriar da sua parcela, a possibilidade de desenvolvimento é grande. Pensando desta maneira, pode ser uma oportunidade para o amadurecimento da relação.

O papel dos psicoterapeutas de casais não é julgar a relação. No entanto, isso não quer dizer que permaneça-se neutro diante de comportamentos destrutivos. Acredita-se que seja fundamental para um bom tratamento investigar quais elementos suscitaram tal enfermidade no relacionamento. Certamente a infidelidade abala a estrutura de qualquer relação. Sentimentos intensos de raiva, ciúmes excessivo, desconfiança e uma compulsão por vingança ou punição do parceiro aparecem e podem perdurar se não forem tratados.

O objetivo ao abordar este assunto é abrir um espaço para pensar sobre a parcela de responsabilidade de cada cônjuge envolvido e o quanto, juntos, podem criar um terreno realmente propício para a entrada de outra pessoa em suas vidas. Mas juntos, se buscarem ajuda, também podem tornar a relação fértil para a intimidade e a proximidade perdida.