Artigos

APOSENTADORIA FÁCIL OU DÍFICIL?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no print

Por Aline Menegotto, Psicóloga CRP 07/08580

A Aposentadoria será vivida por cada um a sua forma, tendo

relação direta com a história de vida, experiências e valores

delegados ao Trabalho ao longo da vida.

O trabalho é uma parte importantíssima da vida de qualquer pessoa. A rotina, as responsabilidades, as obrigações, o contato com outras pessoas e a preocupação com temas que às vezes dependem tão pouco de nossas forças dão combustível para a saúde mental – e para a própria vida, consequentemente.

O que você vai ser quando crescer?  O trabalho coloca-se como expectativa social das pessoas desde o nascimento, na medida em que se espera delas que, no momento oportuno, ocupem um lugar no mundo do trabalho e contribuam para a manutenção do processo produtivo.

A identidade profissional resulta na vinculação do ser humano e uma atividade, considerados o contexto e as características dessa atividade, bem como seus reflexos nesse sistema identitário.

Ser médico, secretaria, professor, comerciante, motorista de ônibus ou bancário faz parte indissolúvel de nossa identidade social, não apenas o modo como o trabalho e executado (a atividade e seu processo de realização), mas também o que resulta desse trabalho (o produto) são importantes na construção da identidade humana, é ambos os fatores dizem respeito à questão do seu significado e da satisfação obtida por seu intermédio. Assim, pode-se considerar que a profissão representa muito mais do que um conjunto de aptidões e funções, constituindo também uma forma de vida a ser assumida, pelo sentimento de identidade e de adesão aos seus objetos e valores.

E como fica quando a Aposentadoria chega?

Culturalmente a aposentadoria se apresenta como uma fase da vida humana mais voltada para o lazer e o descanso e, além disso, costuma ser vivenciada como se fosse o final da trajetória profissional. No entanto, isso está mudando, nem sempre será essa a percepção daquele que se aposenta, tendo em vista que no plano da realidade, significativas mudanças estão em jogo, tais como: vínculos longos de amizade e companheirismo que se desfazem, alteração da rotina, ausência de companhia em casa e o próprio sentido do trabalho. Dependendo da vivência subjetiva, todo esse quadro pode ser percebido como um leque de possibilidades para experimentar novos desafios ou como uma situação ameaçadora e desestabilizadora emocionalmente, podendo levar à apatia, desmotivação e perda do sentido da vida.

Do ponto de vista emocional, essa fase pode gerar ambivalência entre uma sensação de liberdade em relação ao disciplinado mundo do trabalho e a perda do sentido existencial, ocasionado pela dúvida quanto às possibilidades concretas de encontrar gratificação em outras relações e atividades, sejam elas laborais ou não.

O conceito de crise, no âmbito da Psicologia do Desenvolvimento, é entendido como toda situação de mudança em nível biológico, psicológico ou social, que exige da pessoa ou do grupo, um esforço suplementar para manter o equilíbrio emocional. Neste sentido, toda crise caracteriza-se como uma fase que envolve perdas e/ou substituições rápidas, que necessariamente colocam em questão o equilíbrio da pessoa.

A forma como os componentes da crise são vividos, elaborados e utilizados subjetivamente, pode resultar em crescimento e desenvolvimento pessoais quando há a possibilidade de revisão de paradigmas e da construção de uma nova percepção em relação a si e ao mundo. Entretanto, a crise pode evoluir negativamente quando os recursos pessoais estão diminuídos e a intensidade do stress vivenciado ultrapassa a sua capacidade de adaptação e reação.

A partir deste entendimento, não só as etapas de vida previstas desde o nascimento, mas também outras, em que a revisão da identidade pessoal esteja em jogo, como o desemprego, o divórcio e a aposentadoria, podem ser tomadas como situações capazes de desencadear uma crise individual.

O segredo então seria seguir trabalhando? Pode-se dizer que sim, mas com a condição de revisitar e resignificar a palavra “trabalho”.

Cabe avaliar a distinção entre emprego, trabalho e ocupação:

– No emprego está intrínseca a ideia de vínculo legalizado de prestação de serviços;

Trabalho consiste em uma atividade que também demanda tempo e dedicação, mesmo sem a formalidade do emprego;

Ocupação define-se por algo que ocupa, podendo ser trabalho, emprego, voluntariado ou atividades pontuais que não demandem tanto tempo quanto os dois anteriores.

A psicoterapia se torna um ponto de apoio para que essa transição se dê de forma tranquila, com menor ansiedade e desgaste emocional. Seguir com um planejamento ou realinha-lo, definir tempo para lazer, família, saúde e também para algum trabalho, preferencialmente, “escolhido/ prazeroso” são aspectos que você pode discutir com um psicólogo.