Por Luciana Pandolfo Camaratta,  Psicóloga – CRP 07/05918

Caracteriza-se abuso sexual qualquer forma de contato sexual ou erotização não desejado,forçado e ameaçador. Pode ocorrer na família através dos pais, padrastos , irmãos ou outro parente qualquer. Também fora de casa com amigos, vizinhos, alguém que cuida da criança ou também na forma virtual.  Identificar, manejar com a situação ou prevenir sua ocorrência é uma tarefa difícil que exige alguns cuidados.

A Psicanálise afirma que as crianças tem fantasias, desejos e experiências sexuais . Descobre as primeiras sensações de prazer com o toque , vai descobrindo seu corpo e as diferenças anatômicas. Existem fases no desenvolvimento psicossexual : Oral , Anal, Fálica ,Latência e Genital. Pensando no abuso sexual,  todo este ciclo é brutalmente quebrado. A criança vive imediata e violentamente a erotização e genitalidade.  Não apresenta nenhuma condição de personalidade para bancar esta experiência. ESTAMOS ENTÃO DIANTE DE UM TRAUMA e será necessário trabalhar esta situação. Alguns cuidados serão importantes!

A revelação de uma situação que envolve aspectos sexuais, geralmente é vivenciada com preocupação e ansiedade , fazendo com que as pessoas tomem atitudes imediatas ou sintam-se paralisadas pretendendo manter o segredo. Estes são extremos que não trazem benefícios. Será necessário observar o relato da criança e seu comportamento. A criança por estar em um momento de descobertas e de intensa vida de fantasia e o adulto por questões de sua história, dificuldades e vivências,  correm o risco de entender a situação de forma distorcida. Por vezes poderemos estar diante de uma situação que merece cuidado e atenção ,mas não é abuso!

Enquanto diante da suspeita, será necessário proteger a criança da repetição das possíveis situações de risco identificadas em seu relato e comportamento. Conversar com a criança sobre a hipótese de abuso ou nomear uma experiência como tal, sem que ela tenha vivido  a situação, também pode ser traumático. É também entregar-lhe uma vivência para a qual não tem condições nem estrutura de personalidade para administrar.Além disto, se ela está vivendo um segredo e for questionada ,” investigada de forma muito direta”  ,poderá sentir-se ameaçada e não concluir a revelação, em função de ameaças feitas pelo abusador a ela ou a sua família. Uma das possibilidades é MANTER O SEGREDO E CONSTRUIR UM SINTOMA. Segredos negativos ocupam grande espaço mental e consomem muita energia. Por exemplo , a criança poderá apresentar ótima condição cognitiva e apresentar queda no rendimento escolar em função de um bloqueio do pensamento. Pensar fica proibido, porque envolve o risco da revelação.

Quanto menos idade, menor será a condição para expressão em palavras, maior será a fantasia e a expressão por via do comportamento. Mudanças súbitas expressam alguma dificuldade , conflitos e sofrimento, algo que não se refere somente ao abuso sexual mas a toda e qualquer situação. Toda criança apresenta comportamentos que envolvem a sexualidade, porém na situação de abuso, serão as características e intensidade das manifestações que merecem atenção e ajudam a definir seus motivadores.  Comportamento erotizado, masturbação visível e freqüente, demonstração de conhecimento e informações excessivas para sua idade ; visíveis através da linguagem verbal ou das brincadeiras são importantes sinais.  Outro aspecto importante será observar seu corpo. A criança abusada traz na roupa íntima sujeiras à mais , queixa-se de dores e assaduras , podendo apresentar sinais e sintomas de doenças sexuais.

Algumas outras manifestações também são importantes, embora possam ser consequência de uma série de outras dificuldades. Apresentar comportamentos regressivos, demonstrando que necessita voltar a uma etapa ou situação onde sentia-se mais segura. Sentimento de medo, fobias e ansiedade, temendo a revivência de situações traumáticas. Alterações de humor- agitação, irritabilidade, agressividade, depressão e isolamento, choro sem causa aparente. Alterações no sono – insônia e pesadelos. Queda no rendimento escolar e dificuldade para concentra-se.

A criança deve ser orientada A NÃO GUARDAR SEGREDOS QUE INCOMODEM. Deve ser ensinada a ter RESPEITO POR SI MESMO E PELOS OUTROS. Ensinada a ter PRIVACIDADE. Deve receber CONHECIMENTOS RELATIVOS À SEXUALIDADE CONFORME SOLICITAR. As informações, manifestações relativas à sexualidade , a forma de lidar com elas em casa, auxilia a criança a ter limites e a dar limites para outras pessoas ,sendo portanto algo que proporciona amadurecimento e prevenção na ocorrência de situações difíceis, dentre elas o abuso sexual.