Por Carolina Mejolaro, Psicóloga – CRP 07/15377

Em época de Copa do Mundo, onde respiramos futebol e ficamos “paralisados” por alguns dias, podemos pensar alguns aspectos psicológicos associados à Copa. É um momento aonde uma grande variedade de sentimentos vem à tona. Sentimentos que ficam contidos como paixão, raiva, alegrias são liberados de maneira socialmente aceita, é uma catarse coletiva onde as pessoas se permitem expressar suas emoções.

Outro aspecto interessante é que o futebol desencadeia nos indivíduos um sentimento de grupo, identidade, união. As pessoas se permitem compartilhar alegrias, torcer juntas, vibrar a cada gol, vincular-se com desconhecidos por um mesmo objetivo.

O povo brasileiro veio de um trauma do fatídico, 7×1 uma das maiores derrotas da historia do futebol. Este trauma mostra a dificuldade do brasileiro de perder, lidar com a frustração e uma realidade tão cruel. Nestes momentos entra outro mecanismo psicológico, a negação. É mais fácil negar este trauma e pensar que ainda somos o país do futebol, como por muito tempo fomos reconhecidos.

A realidade mudou e o país do futebol continua exemplar nos ranking da desigualdade social, de violência interpessoal e da corrupção.  Seguimos dissociados perdidos sem saber qual o melhor caminho a seguir.

Espero que o sentimento que aflora com a copa do mundo, de união, amor a camisa, olhar com empatia para o outro, mostre que ainda temos esperança e podemos, juntos, fazer a virada para um Brasil melhor.