Por Carolina Rodrigues Azevedo, Psicóloga – CRP 07/19699

O momento da escolha profissional geralmente é marcado por inúmeras emoções. O que cada um sente nesta etapa da vida pode ter relação com o modo com que lida com situações de decisão, mudanças e com seu próprio crescimento. A escolha de uma profissão pode ser encarada para muitas pessoas como um dos primeiros grandes desafios da vida adulta.

O se deparar com o novo, desconhecido, pode representar um momento de incertezas. Neste sentido, fatores como o início e o desenvolvimento da carreira profissional de seus pais ou de pessoas de referência, assim como a expectativa desses para com a sua escolha profissional e outros aspectos devem ser analisados pois podem ser carregados de valor emocional. Em alguns casos, podendo interferir significativamente no processo de escolha.

A orientação profissional surge como um espaço que propicia o contato com os sentimentos que estão sendo despertados nesse momento da vida, a expansão do conhecimento sobre seu perfil, suas habilidades e pontos a serem desenvolvidos. Além do mais, conduz a pessoa a pensar sobre sua maturidade para esta escolha e as áreas que possui maior interesse profissional, diferenciando essas de ocupações de lazer.

É essencial que o orientando tenha um papel ativo neste trabalho, seja compartilhando suas ansiedades, esclarecendo dúvidas, buscando conhecimentos e se disponibilizando a este contato. Vale ressaltar que não é sempre que se finaliza este processo com a profissão escolhida, tudo depende dos desejos e do momento de cada um.

A orientação profissional dura em torno de 8 encontros, em que são utilizados testes e técnicas psicológicas que auxiliam e estimulam a pessoa neste percurso.